PALAVRAS QUE PROFETIZAM OU PETRIFICAM.,

PALAVRAS QUE PROFETIZAM OU PETRIFICAM.

Esta semana estava fazendo uma leitura sobre alfabetização.  A pesquisa que eu estava lendo afirmava que adultos e crianças formulam hipóteses a respeito do código de alfabetização mesmo antes de serem alfabetizados. Estou me referindo a uma das maiores obras sobre esse tema já escrita, na verdade uma verdadeira “bíblia” da alfabetização para os educadores, Psicogênese da língua escrita, de Emília Ferreiro e Ana Teberosky. É aquele tipo de livro que ninguém deveria perguntar para um educador se ele já leu, pois na verdade temos que ler e reler para sempre, o verdadeiro livro que não pode sair da cabeceira.

Como disse no início, o aprendiz, seja criança ou adulto, já possui uma ideia de que a escrita é um código, um sistema de representação . Também está dito na pesquisa destas autoras que o analfabeto adulto, geralmente tem muito claro que se escreve com letras, diferente de muitas crianças, que antes do processo de alfabetização não distinguem desenhos de letras ou números.  O adulto também demonstra na maioria das vezes  já ter superado o nível pré-silábico, ou seja, consegue escrever alfabeticamente algumas sílabas, além de  ter certa clareza da função social da escrita.

Então surge uma pergunta inquietante: Por que a criança aprende com mais facilidade e rapidez que o adulto? Obviamente entraríamos aqui em um caminho repleto de indagações e confirmações que envolvem até questões neurológicas associadas ao desenvolvimento.  Vamos então pontuar apenas o aspecto socioemocional, que neste caso não será apenas...será tudo!!!

O fato é que Emília Ferreiro (1983) em outra de suas  pesquisas já haviam notado, que, enquanto é muito fácil conseguir que uma criança pré-alfabetizada realize produções escritas, no adulto analfabeto a “consciência de não saber” é muito forte e ele se sente incapaz de tentar escrever.

O adulto sabe que não sabe!

Foi neste momento que fiz uma conexão com as chamadas crenças limitantes, daquelas que quase paralisam.  Para quem não sabe, essas crenças são processamentos inconscientes, são “limites” de nosso modelo mental, programações neurais que aprendemos durante nossa vida, principalmente nas primeiras infâncias. Quase como palavras escritas em pedras! O problema é que geralmente estas palavras fortes e muitas vezes negativas são petrificadas em nós pelas pessoas que mais amamos, pais e parentes próximos que nos definem com bastante rapidez.  Nos rotulam de “levados”, lentos e tudo isso vai se cristalizando,  paralisando a criança e posteriormente o adulto. Por isso, escolha as palavras que profetizam! Profetizar no dicionário possui uma linda definição: predizer o futuro, por um dom especial ou por inspiração divina.  Neste caso a inspiração divina se chama AMOR! Diga para seus filhos palavras positivas e pacientes que o levem a não ter medo de errar e de tentar: vamos lá você consegue! Tenha calma, eu te ajudo! Profetizem!

Isso vale para crianças e adultos!

 

Compartilhar:




Blog Para educar...