Revide, Por conta da crise, Casa Caio deixa de oferecer residência inclusiva para deficientes, Casa Caio, Residência Inclusiva, Funcionamento, Prefeitura Municipal, Ribeirão Preto

Imóvel, no Monte Alegre, passará por manutenção e adequação para novo serviço

Por conta da crise, Casa Caio deixa de oferecer residência inclusiva para deficientes

Programa, que era parte de um dos serviços realizados pelo Corassol, agora passa a ser executado pela prefeitura

Por cerca de quatro anos, o programa Casa Caio – um dos serviços realizados pelo Corassol – acolheu jovens e adultos portadores de deficiência, em situação de risco pessoal e ou vulnerabilidade social, por meio de sua Residência Inclusiva. No final de agosto deste ano, em razão da falta de recursos financeiros para manter funcionários e serviços do local que funcionava 24 horas por dia, o programa encerrou todas as atividades que eram executadas na casa.

Desde 1º de setembro, os serviços que eram desenvolvidos pela Casa Caio passaram para os cuidados da Prefeitura de Ribeirão Preto. De acordo com a administração municipal, as pessoas têm sido atendidas na Residência Inclusiva vinculada à Secretaria Municipal de Assistência Social e recebem todos os cuidados necessários de educadores, assistentes sociais, psicólogas e auxiliares de enfermagem.

Segundo Marta Irides de Oliveira, presidente do Corassol, mesmo com a verba repassada pelos governos Federal, que atrasava o repasse eventualmente, Estadual e o Municipal, o programa não conseguiu dar continuidade à Residência Inclusiva. “Desde agosto de 2016, não estávamos conseguindo complementar a renda necessária para manter o serviço. Isso nos levou a propor a descontinuidade do mesmo para a prefeitura, que pediu para aguentarmos mais até o novo governo. Infelizmente, a situação não mudou, então tivemos de interromper esses serviços”, afirma a presidente.

Durante os anos em que atuou no município, além da moradia, a Casa Caio ofereceu a essas pessoas alimentação, remédios, roupas, transporte e várias atividades, tanto internas quanto externas. “Manter a casa funcionado requeria gastos que iam além da manutenção do local, como o salário dos funcionários e tributos”, explica a presidente.

O imóvel no bairro Monte Alegre, na Rua Curupaiti, 226, onde funcionava a Residência Inclusiva, passará por manutenção e adequação para futura instalação de novo serviço, de necessidade do município, cujo custeio deverá ser financiado por meio de parceria firmada entre poder público e sociedade civil.

A presidente explica que a Casa Caio não fechou e, em breve, poderá disponibilizar outros serviços. “Nós temos o imóvel e já fizemos as consultas com os órgãos de assistência social da cidade para vermos qual é a demanda do município”, finaliza Marta.

Corassol

Além da Casa Caio, o Corassol – organização da sociedade civil (OSC), sem fins lucrativos, beneficente e filantrópica – disponibiliza vários programas sociais para a população. Para saber mais sobre os serviços, os interessados podem acessar o site da organização.

Foto: Divulgação

Compartilhar: