Revide, Pesquisador da USP quer descobrir causas de deficiências mentais, ribeirão preto, hc, hospital, saúde, deficiência, médico

Pesquisa será realizada por professor da USP com apoio do Centro de Medicina Genômica, do Hospital das Clínicas (HCRP)

Pesquisador da USP quer descobrir causas de deficiências mentais

Estudos anteriores apontam que parte das deficiências são causadas pelo consumo de álcool e drogas na gravidez

O professor da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, da Universidade de São Paulo, João Monteiro de Pina Neto, quer descobrir o porquê de nascerem pessoas com deficiência mental e quais as causas que levam a esses problemas, para poder encontrar soluções e preveni-las.

Pina Neto, que é médico geneticista, contará com o apoio do Centro de Medicina Genômica, do Hospital das Clínicas (HCRP), já tem estudos realizados sobre o tema, que apontam que algumas das causas das deficiências são fatores que não são genéticos, como o consumo de álcool e drogas durante a gestação.

Além disso, Pina Neto afirma que a pesquisa é necessária por contar com bibliografia escassa sobre o assunto.

“Nós vamos procurar as causas das deficiências dessas crianças. Não há estudos específicos mostrando porque crianças e adultos são deficientes. O nosso projeto é trazer o trabalho de médicos e laboratórios do HC para dentro das Apae’s estabelecer as causas das deficiências mentais nos municípios e detalhar trabalhos de prevenção”, comenta o geneticista.

Estudo realizado em 2013, em conjunto com o professor da FMRP Erikson Furtado, apontou que a deficiência em 45% das pessoas pesquisadas tinha como origem o álcool e as drogas consumidos pela mãe. Já 30% das mulheres que realizavam o pré-natal naquele momento com acompanhamento de médicos do HC consumiram álcool durante a gravidez, em nível apontado como nocivo.

Nesta pesquisa, eles identificaram que em países com serviço de pré-natal com melhor qualidade, o número de nascimentos de pessoas com algum tipo de deficiência mental é três vezes menor do que no Brasil, por exemplo.

Foto: Divulgação/HCRP

Compartilhar: