Revide, Violência cometida pelo parceiro afeta qualidade do aleitamento materno, aleitamento, materno, amamentação, USP, bebês, recém, nascidos, violência

Mulheres que participaram da pesquisa contam que sofreram vários tipos de violência: psicológica, emocional, física e sexual

Violência cometida pelo parceiro afeta qualidade do aleitamento materno

A pesquisa identificou quais as consequências da violência praticada por parceiros íntimos durante o período de amamentação

Um dos períodos mais importantes na relação mãe-filho, o aleitamento, pode ser reduzido ou ter a sua qualidade prejudicada caso a mãe sofre algum tipo de violência durante este tempo. É o que revela um estudo realizado pela Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto (EERP), da USP.

A pesquisa, da obstetriz Nayara Girardi Baraldi, identificou quais as consequências da violência praticada por parceiros íntimos durante o período de aleitamento materno. Os resultados mostraram a diminuição do tempo de amamentação, além de mudança no tipo do aleitamento, ou seja, essas mães foram forçadas a oferecer outros alimentos ao bebê antes dos seis meses de vida, fato que contribuiu para o desmame precoce da criança.

A falta de motivação em amamentar por conta das brigas e o estresse gerado pelos desentendimentos foram os fatores apontados pelas mães que mais afetaram a qualidade e o tempo de amamentação. A falta de paciência com as crianças e o desânimo com o autocuidado, também apareceram nas queixas dessas mulheres.

Leia mais:
Mães encontram no empreendedorismo forma de acompanhar o crescimento dos filhos
A cada 14 horas, uma mulher sofre abuso na região

Em 2016, Ribeirão Preto registrou 16 crimes por dia contra mulheres

Ao todo foram entrevistadas 21 mulheres, com idade entre 17 e 23 anos que sofreram algum tipo de violência por parceiro íntimo (VPI) e tinham mais de 180 dias de pós-parto. Destas, 12 afirmaram que o parceiro controlava a sua vida. Nove disseram ter sofrido violência durante a gestação. Já no período puerperal, que vai aproximadamente até a oitava semana após o parto, a violência foi sofrida por quase todas as mulheres.

Nayara conta que as mães entrevistadas sofreram vários tipos de violência: psicológica, emocional, física e sexual. Segundo a pesquisadora, as mudanças no relacionamento devido à presença do bebê podem ter colaborado para que  a violência fosse mais acentuada.  “O aumento da violência por parceiro íntimo no período pós-parto em relação ao gestacional pode ter ocorrido devido alteração na situação conjugal do casal, com o aparecimento das demandas do recém-nascido”, revela a especialista.

Ela explica também que “os estudos frente a temática gestação e VPI ainda não concluem se o período gestacional é protetivo ou não para a mulher, no entanto, para essa população estudada, a gestação, assim como ter o filho próximo, foram ações positivas para combater os atos de violência pelo agressor”.

A obstetriz explica que esse quadro de violência precisa mudar e que, para isso, é necessária a melhoria dos serviços públicos, mas, além disso, é necessário uma mudança de postura da sociedade. “Não só os profissionais, mas também a sociedade precisa ter mais atenção e compreensão com a mulher que vivencia essa situação, e em vez de julgá-la, acolhê-la. É necessário, também, estabelecer serviços integrais de cuidados, a fim de reduzir a continuidade desses acontecimentos.”, finaliza Nayara.

A tese "A vivência do aleitamento materno em um contexto de situação de violência por parceiro íntimo e a rede de suporte social" foi defendida na EERP em maio deste ano e orientada pela professora Juliana Stefanello, da EERP.

Foto: Pixabay

Compartilhar: