Revide, Alckmin participa de abertura da Fenasucro, em Sertãozinho, fenasucro, agronegócio, ribeirão preto, alckmin

Alckmin participa de abertura da Fenasucro, em Sertãozinho

O governador de São Paulo comemorou o ‘renascimento’ do setor sucroenergético, e disse que Temer terá segunda largada no governo

O governador Geraldo Alckmin (PSDB) participou da abertura da 24ª edição da Fenasucro&Agrocana, em Sertãozinho, nesta terça-feira, 23. A feira deste ano espera gerar R$ 2,8 bilhões em negócios nos próximos seis meses. Na abertura da feira, o governador cobrou uma política fiscal rígida do governo do presidente interino Michel temer (PMDB).

Além de políticos e autoridades, empresários ligados ao setor sucroenergético participaram da cerimônia de abertura da feira ligada ao setor da cadeia produtiva da cana-de-açúcar, como máquinas e equipamentos para usinas e destilarias, que segue até sexta-feira, 26. São esperados visitantes de 43 países diferentes e mais de 40 mil visitantes ao longo da semana.

Para Alckmin, este é um momento de recuperação do setor sucroenergético, em razão dos resultados de crescimento apresentados neste ano, depois da alta do preço do açúcar no mercado, e aumento da demanda por etanol. Ele ainda lembrou que este setor emprega mais de 1,1 milhão de pessoas em todo o Brasil.

"Estamos falando de energia limpa, energia verde e renovável. Acredito que teremos um ano bom e isso é excelente, não só para a região, mas para o país", diz Alckmin. A expectativa é que a feira movimente, pelo menos, R$ 2,8 bilhões em negócios.

Na abertura da feira, em conversa com jornalistas, Alckmin comentou os primeiros os primeiros cem dias de governo de Michel Temer, completados esta semana, do qual o PSDB, o partido do governador, faz parte da base aliada.

O governador disse que caso o impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff (PT) seja acolhido pelo Senado, em julgamento que deve começar na quinta-feira, 25, Temer terá um segundo começo de governo. Segundo ele, para obter êxito nesta situação, é necessário utilizar práticas econômicas “duríssimas” na política fiscal, para deixar o Real competitivo junto a moedas estrangeiras, melhorando o mercado do País.

Foto: Divulgação/Fenasucro

Compartilhar: