Revide, Moradores fazem vaquinha para asfaltar avenida na Zona Leste de Ribeirão Preto, Residencial Parque dos Servidores, avenida José Antônio Ferrarezi, vaquinha comunitária, Ribeirão Preto

Sem resposta da prefeitura, moradores começaram a aplicar rejeito de asfalto no trecho da avenida

Moradores fazem vaquinha para asfaltar avenida na Zona Leste de Ribeirão Preto

Após arrecadação e trabalho voluntários, 200 toneladas de rejeito asfáltico foram comprados para o local

Moradores do Residencial Parque dos Servidores, na Zona Leste de Ribeirão Preto se mobilizaram e fizeram uma vaquinha para asfaltar a avenida José Antônio Ferrarezi. A via não tem asfalto e é cheia de buracos que dificultam o trânsito das pessoas e veículos.

Um grupo foi criado em uma rede social e 77 pessoas decidiram contribuir de alguma maneira. O trabalho de recape tem sido realizado desde a sexta-feira, 7. Nesta terça, 11, após nivelamento e retirada da poeira, o asfalto é colocado e assentado.

Cerca de 200 metros vão ganhar a massa asfáltica. O segurança Guto Corrêa, de 48 anos, é um dos organizadores da ação. Ele diz que tenta com a Prefeitura o asfalto no trecho há anos, mas nunca conseguiram uma resposta. “Há muitos buracos no bairro, e ainda outros problemas, com a falta de asfalto nesta avenida. Com ajuda de outros moradores, nós decidimos nos unir e arrecadamos uma quantia para que fosse viável para essa reforma sem o auxílio municipal”, fala Corrêa.

O trabalho tem sido possível pois um morador, Marcos Tadeu de Souza, 44, possui um caminhão caçamba e um trator. De maneira voluntária, ele tem realizado a pavimentação desde às 4h, desta terça-feira, 11.

“Eu moro perto da terra, então é meu caminho todos os dias para o trabalho. Tem iluminação pública no local e há construtoras também. Não sei porque ainda não foi asfaltado.  Na sexta-feira passada passou um caminhão no local e nivelou a avenida. No final de semana finalizamos a arrecadação e nesta segunda compramos o rejeito, além de contratarmos um caminhão pipa para limpar a vida”, explica o segurança.  

O gasto total foi de R$ 4,2 mil. O rejeito de asfalto custou R$ 4 mil, o combustível do veículo teve o valor de R$ 200, que também foi o preço do caminhão com água.

A consultora comercial Kelly Juliana Evangelista, 40 anos, também se envolveu na ação. “Realmente a nossa região está muito a desejar em relação aos órgão públicos. Nós sabemos que a Prefeitura está em nova gestão e não sabemos do tamanho do rombo fiscal, mas outras regiões de Ribeirão Preto estão passando por recapeamento e em nosso bairro não há nada, apenas buracos, lixo e insegurança”.

Ela explica que nada seria feito, mas a mobilização foi criada. “Nós não iriamos fazer mais nada, mas decidimos lutar, por mais uma vez, para a melhora do nosso bairro. Os moradores se uniram e tal maneira que há até  contribuição de pessoas desempregadas”, conclui.

Avenida tem sido pavimentada por moradores do bairro após vaquinha

Outro lado

A Secretaria de Obras Públicas informa que o trecho onde há asfalto será realizado recapeamento. O projeto de sinalização está sendo elaborado para abertura de licitação. O trecho sem asfalto, está incluído nas demandas de pavimentação asfáltica e a Prefeitura busca recursos para que seja realizada.

Atualizada em 11/06/2019, às 15h20

Foto: Arquivo Pessoal

Compartilhar: