Revide, Espalhando sorrisos , revide, capa, dentista, unaerp, estácio, usp, odontologia, ribeirão, preto

Espalhando sorrisos

Mesmo em meio a uma pandemia, os dentistas se fortalecem e provam que são muito mais que profissionais que tratam os dentes; categoria é essencial para o cuidado com a saúde e a elevação da autoestima

Se você procurar no dicionário, o dentista é descrito como o profissional que se dedica ao estudo e ao tratamento dos dentes. No entanto, a profissão vai muito além disso. Cuidados com a saúde, acolhimento dos pacientes e até elevação da autoestima estão entre as demandas fundamentais do ofício. A história da atividade é muito forte no Brasil, passando por Tiradentes e até por Dom Pedro II. Foi o imperador quem assinou o decreto que criou os primeiros cursos de odontologia do Brasil, na Bahia e no Rio de Janeiro, em 25 de outubro de 1884. Para celebrar a profissão, na data é comemorado o Dia do Dentista no país.

O dentista é um especialista com ampla área de atuação, explica o coordenador do curso de Odontologia da Estácio, Prof. Dr. Rafael Rodrigues Dias. “Ele é o profissional responsável por devolver a saúde, a estética e a função da boca e da região facial. Atua no diagnóstico de doenças bucais e faciais, além de seu tratamento. Também devolve a estética e o sorriso, em harmonia com o conjunto facial. É o profissional mais completo e habilitado para isso, contribuindo para a autoestima e a saúde do paciente”, descreve.

Além dos cuidados com os dentes e a boca, o profissional tem, ainda, outras demandas. “O dentista é autorizado a atuar em hospitais, realizar o tratamento de fraturas faciais, como a dos maxilares, osso da ‘testa’, nariz e zigoma (que forma a ‘maçã’ do rosto), correção de discrepâncias ósseas (mandíbula ou maxila grande ou pequena demais), diagnóstico de todas as doenças de boca e tratamento delas, excluindo as malignas. Além disso, pode atuar em perícias, harmonização estética de face, odontologia do esporte, aplicação de Botox e cirurgias estéticas. Também atua em conjunto com médicos no tratamento dos efeitos colaterais das terapias oncológicas, como radioterapia e quimioterapia, bem como no preparo dos pacientes previamente a estes tratamentos. São inúmeras especialidades odontológicas que atuam em conjunto para a saúde global do paciente”, detalha Rafael. 

O dentista é um especialista com ampla área de atuação, explica o Prof. Dr. Rafael Rodrigues Dias

Avanços da área

Os avanços da área são muito evidentes, de acordo com o professor. “A Odontologia Hospitalar ganhou espaço, assim como a harmonização facial, Odontologia Legal, Odontologia do Esporte, áreas administrativas, entre inúmeros outros novos campos. Setores mais consagrados como cirurgia para implantes dentários e cirurgias complexas também ganharam espaço com o avanço tecnológico. Impressoras 3D, cirurgia navegada e guiada por computador e exames tomográficos mais baratos e de melhor qualidade tornaram a odontologia mais ‘fácil’ e acessível para o paciente. Materiais utilizados em enxertos ósseos agora são comercializados, evitando cirurgias dolorosas e longas. A moldagem da boca do paciente ganhou a possibilidade de ser digital, evitando as famosas ‘massinhas’ para reproduzir a boca do paciente em laboratório. Tudo ficou mais simples, barato e melhor. A Odontologia, nos últimos anos, voltou a ser foco de desejo com essa ampla atuação e tecnologia. Além de tudo, os dentistas prescrevem medicamentos, oferecem anestesia local no consultório e têm estrutura para realizar procedimentos estéticos mais confortáveis e acessíveis”, afirma o coordenador da Estácio.

A Odontologia, assim como as outras áreas da saúde, se beneficia muito dos avanços científicos. É o que defende a coordenadora do curso de Odontologia da Unaerp, Profa. Dra. Danielle Cristine Furtado Messias. “As novas tecnologias na área, por exemplo, podem deixar os atendimentos mais rápidos e cômodos para o dentista e o paciente, além de garantir melhores resultados. Dentre tantos avanços nos últimos anos, podemos destacar o escaneamento intraoral, que torna o processo de moldagem mais confortável, rápido e preciso; o aparelho ortodôntico invisível, que elimina o incômodo em relação à aparência e ao conforto dos aparelhos tradicionais; a cirurgia guiada para instalação de implantes dentários, que possibilita planejar o melhor posicionamento, minimiza acidentes, cortes desnecessários e colabora para a cicatrização do procedimento; e os diversos materiais modernos para prótese e restaurações, que aumentam a resistência, durabilidade e a estética dos tratamentos”, destaca.

A Profa. Dra. Danielle Cristine Furtado Messias diz que a Odontologia se beneficia muito dos avanços científicos

Enfrentamento da pandemia

A pandemia de Covid-19 foi bastante desafiadora para os dentistas. Profissionais da área da saúde, eles precisaram se preparar para enfrentar o período e conseguir atender seus pacientes. É o que explica Danielle. “Inegavelmente, a pandemia trouxe inúmeros desafios a todos, mas o cirurgião-dentista parece que carregou um peso extra, uma vez que os profissionais da área estavam entre os mais vulneráveis à contaminação por Covid-19. O dentista tinha como objetivo preservar a própria vida, evitar se tornar um vetor de contaminação aos pacientes e atuar em um ambiente com altíssimo risco de contaminação. Felizmente, já foi relatado pelo Conselho Federal de Odontologia (CFO) que o dentista é a categoria profissional que menos se contaminou até agora entre aqueles que estão na linha de frente. De fato, a consciência sobre a importância do uso habitual da paramentação e dos cuidados com a biossegurança acabou beneficiando o profissional nesse contexto”, ressalta.

Coordenador dos cursos de Especialização em Periodontia e em Implantodontia na Faculdade de Odontologia de Ribeirão Preto (FORP), da Universidade de São Paulo (USP), o Prof. Dr. Michel Reis Messora aponta que a pandemia evidenciou a relevância do trabalho desenvolvido por cirurgiões-dentistas em Unidades de Terapia Intensiva (UTIs). “É neste cenário que o profissional pode atuar a fim de diminuir os agravos da internação e prevenção de outras infecções, como as pneumonias associadas à ventilação mecânica. Além disso, pode também contribuir para reabilitação do paciente, abrangendo aspectos nutricionais e fonoaudiológicos. Falando de uma forma generalista e simplificada, a falta de higiene bucal parece potencializar os efeitos da Covid-19 no organismo e o cirurgião-dentista tem papel preventivo fundamental nesta cadeia patogênica”, alerta.

O professor ainda defende que a odontologia brasileira fez seu papel durante o período pandêmico. “Uma pesquisa realizada pelo Conselho Federal de Odontologia (CFO) mostrou que 82% dos cirurgiões-dentistas continuaram exercendo a Odontologia durante o período de pandemia, seguindo todas as recomendações publicadas pela autarquia. Vale destacar aqui que, neste momento pós-pandêmico (se é que podemos assim chamar, uma vez que não encerramos ainda a pandemia de Covid-19), enfrentamos um aumento na demanda de pacientes com problemas odontológicos em função do estresse causado pelas medidas restritivas e do isolamento social, o que afastou a população na busca por cuidados regulares de saúde bucal”, explica Michel.

A pandemia também trouxe desafios imensos no ensino da Odontologia, segundo o professor da USP. “Todas as recomendações de biossegurança do Ministério da Educação (MEC), Conselho Federal de Odontologia e Associação Brasileira de Ensino Odontológico (ABENO) foram revistas para direcionarem a implementação de novas práticas no ambiente de trabalho e ensino, com o intuito de proteger profissionais, estudantes e pacientes. A natureza prevalentemente prática dos cursos de graduação em Odontologia trouxe muitas dificuldades para reconfiguração do processo de ensino e aprendizagem durante as restrições e medidas de isolamento e distanciamento sociais impostas pela pandemia. As instituições de ensino, durante a interrupção de atividades presenciais, precisaram migrar para uma modalidade de ensino remoto usando tecnologias de informação e comunicação e, com isso, reconfiguraram de forma emergencial seus projetos pedagógicos, o que trouxe desafios imensos no que se refere à manutenção da excelência na formação dos graduandos e avaliação das competências a serem adquiridas”, comenta.

Paralelamente a isso, adequações na infraestrutura institucional foram rapidamente executadas para que os treinamentos laboratoriais, estágios e práticas clínicas transcorressem com segurança para discentes, docentes, pacientes e funcionários em novos cenários de ensino e aprendizagem. “Acredito que, de forma geral, avançamos neste período de dificuldades e conquistamos também novas ferramentas tecnológicas que podem hoje trazer grandes benefícios no ensino da Odontologia”, finaliza Michel. 

A pandemia também trouxe desafios imensos no ensino da Odontologia, segundo o Prof. Dr. Michel Reis Messora

Atendimento gratuito à comunidade
As três faculdades que oferecem o curso de Odontologia em Ribeirão Preto também fazem atendimento odontológico gratuito à comunidade.

USP: Em 2020 e 2021, em função da suspensão das atividades presenciais devido à pandemia, o número de atendimentos realizados foi reduzido. Entretanto, em anos regulares de atendimento, os estudantes da FORP atendem aproximadamente 10 mil pacientes e realizam 30 mil consultas nas Clínicas odontológicas da faculdade. Além disso, a unidade desenvolve projetos sociais em parceria com a Divisão Odontológica do município de Ribeirão Preto.

Unaerp: A clínica odontológica da faculdade atende pacientes encaminhados pela Secretaria Municipal da Saúde, por meio do convênio com o SUS. Todos os atendimentos são gratuitos, incluindo os tratamentos em prótese, endodontia, cirurgia, restaurações, prevenção, periodontia, odontopediatria, de pacientes com deficiência, diagnóstico de lesões orais, dor e disfunção na articulação temporomandibular. Para realizar tratamento odontológico na clínica da Unaerp, o paciente deve agendar consulta com o dentista da Unidade Básica de Saúde mais próxima de sua residência, que o examinará e fará o encaminhamento.

Estácio: A Odontologia da Estácio iniciou suas atividades práticas no segundo semestre de 2021, com atendimento gratuito ao público na área odontológica, assim como já faz em outras áreas da saúde. Todos os atendimentos são agendados pelo telefone (16) 3523.4127.

Fotos: Luan Porto

Compartilhar: