Alerta de golpe

Alerta de golpe

Com os golpes digitais em alta a população deve se prevenir, proteger os dados e repensar os hábitos no ambiente virtual

O ano de 2021 quebrou todos os recordes no quesito “golpes digitais” no Brasil. De acordo com o Indicador de Tentativas de Fraude da Serasa Experian, foram constatados 4,1 milhões de tentativas de fraudes no país, um aumento de 16,8%, comparado ao ano anterior. Segundo o Presidente da Comissão de Direito Digital, Internet e Tecnologia da 12ª Subseção da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Alexandre Bonilha, os golpes aplicados podem variar de transações por meio de PIX, clonagem de WhatsApp, páginas falsas de empresas, oferta de emprego e de prêmios em loteria, falsa aprovação ou liberação de crédito. 

Segundo Bonilha, ao sofrer um golpe, a vítima deve sempre comunicar a instituição financeira, solicitando providências e registrando o boletim de ocorrência. “No caso do golpe do PIX, a instituição terá responsabilidade objetiva na forma do Código de Defesa do Consumidor se o PIX não foi feito pela vítima, ou seja, o dinheiro sai da conta da vítima a terceiros sem seu consentimento. Em todos os casos é necessário cuidado ao analisar a responsabilidade da instituição financeira, caso a caso. Muitos se enganam e perdem na justiça por acreditar que o banco sempre é responsável. Procure o Procon e, não resolvendo o problema, recorra ao advogado de sua confiança”, orienta. 

A dona de casa Fátima Costa também não conseguiu se proteger e caiu no golpe de clonagem de WhatsApp. Segundo Fátima, ela estava trabalhando em casa quando o celular tocou e uma pessoa se identificou como sendo do Ministério da Saúde. O golpista disse estava realizando uma pesquisa.

“No final da pesquisa me mandaram um número de protocolo para confirmar as minhas respostas. Recebi a mensagem e respondi enviando o código que eles tinham me passado, só depois notei que se tratava de um código do Whatsapp, em seguida meu aplicativo parou de funcionar e não consegui ter mais acesso a ele”, relata a dona de casa. Fátima só conseguiu ter acesso novamente ao aplicativo depois de passados três meses, ao encaminhar o aparelho para o suporte. 

A advogada Christiane Heredia foi vítima do golpe de clonagem de WhatsApp. Contudo, assim que tomou conhecimento do ocorrido, rapidamente avisou seus familiares e procurou a justiça. “Os golpistas usaram minha foto de WhatsApp e enviaram mensagens às pessoas, inclusive minha mãe, informando mudança de número de telefone e pedindo para depositarem valores”, lembra a advogada.

Christiane já havia alertado a família que golpes como esse poderiam acontecer, então assim que receberam essas mensagens seus familiares entraram em contato com ela e avisou sobre o ocorrido. “Além de alertar as pessoas por redes sociais e contatos direto, registrei um boletim de ocorrência eletrônico com os dados que dispúnhamos do golpista, infelizmente não tive qualquer resposta das autoridades sobe andamento da investigação ou providências que tenham sido adotadas”, relata. 

Dicas 

A coordenadora do curso de Ciência da Computação do Centro Universitário Barão de Mauá, Eliza Bomfim, dá algumas dicas para se proteger de golpes digitais.

• Utilize senhas fortes, com mais de 10 caracteres e alternando letras maiúsculas, minúsculas, números e caracteres especiais.

• Troque constantemente suas senhas.

• Utilize verificação em duas etapas: por senha e por biometria, código SMS, entre outros.

• Não compartilhe muitos dados pessoas nas redes sociais.

• Busque sempre contato com empresas através dos canais oficiais de atendimento, evitando links desconhecidos ou com formatos estranhos.

Compartilhar: