Revide, Em 2016, nasceram 53 crianças por dia na região metropolitana de Ribeirão Preto, crianças, nascimentos, região metropolitana, registro, cartório, ibge

Foram registrados o nascimento de 9,6 mil meninas e 10 mil meninos ao longo de 2016

Em 2016, nasceram 53 crianças por dia na região metropolitana de Ribeirão Preto

IBGE divulgou nesta terça-feira, 14, a pesquisa Estatísticas do Registro Civil 2016, que mostra 19,7 mil nascimentos na região no último ano

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou nesta terça-feira, 14, a pesquisa Estatísticas do Registro Civil 2016, que mostra que na região metropolitana de Ribeirão Preto foram registrados 19,7 mil nascimentos no último ano. Esta foi a primeira vez que o município participou do levantamento, em razão do instituto ter passado a integrar a nova região metropolitana no estudo.

Leia mais:
IBGE passa considerar região metropolitana de Ribeirão Preto
Segundo IBGE, Ribeirão é mais populosa que algumas capitais nacionais

Ao todo, foram registrados nos cartórios da região, que é composta por 34 municípios, o nascimento de 19.728 crianças ao longo de 2016, sendo 9.646 do sexo feminino, e 10.081 do sexo masculino. O estudo ainda aponta a faixa etária das mães destas crianças.

Cerca de 71,9% das crianças nasceram de mulheres entre idades de 20 a 34 anos de idades. Também, foram registrados 98 casos de meninas com menos de 15 anos de idade, e 21 casos de mulheres com idade entre 45 a 49 anos de idade.

No Brasil

No último ano, foram registrados 2.793.935 nascimentos no Brasil, o que indica uma queda de 5,1% na comparação com 2015, quando tinham sido registrados 2.945.344 nascimentos. Foi a primeira queda desse número desde 2010, incluindo o total e as Grandes Regiões. Entre as unidades da Federação, apenas Roraima teve um pequeno contingente positivo. A região com menor queda foi a Sul de 3,8% e o Centro-Oeste, com maior queda de 5,6%.

Segundo os especialistas do IBGE, os brasileiros podem ter adiado a decisão de ter filhos no período analisado em razão do surto de microcefalia associado ao vírus zika, além da crise econômica.

 

 

Foto: Pixabay

Compartilhar: